Na depressão, o maior perigo é não pedir ajuda

É perfeitamente normal ter períodos de tristeza, ter semanas ou dias maus, é uma reação normal face aos altos e baixos da vida. Mas se está a sentir uma falta de esperança e um desespero que parece não ter fim, pode estar a lidar com uma depressão. A depressão não é um sinal de fraqueza e não pode simplesmente sair dela. A depressão muda a forma como pensa, sente e funciona nas suas atividades diárias e interfere negativamente na sua capacidade para trabalhar, dormir e gostar da vida.

Se tem alguns dos sintomas seguintes na maior parte do dia, todos os dias durante pelo menos 2 semanas, pode estar a sofrer de depressão.

. Sentimentos persistentes de aborrecimento, tristeza e desespero

· Diminuição acentuada do interesse ou prazer por atividades de que normalmente gosta

· Perturbações do sono ou do apetite

· Agitação (inquietação e movimentação excessiva associada a um estado de tensão) ou lentificação psicomotora (movimentação motora mais lenta)

· Fadiga ou perda de energia; até as mais simples tarefas podem ser cansativas

· Sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva

· Alteração da capacidade de pensar, memória e concentração, indecisão

· Pensamentos recorrentes de morte ou suicídio, tentativa de suicídio ou um plano específico para cometer suicídio

É importante referir que a gravidade e frequência destes sintomas podem variar de pessoa para pessoa.

A depressão pode ser tratada com psicoterapia, medicamentos antidepressivos ou ambos. A grande maioria das pessoas melhora significativamente com tratamento. Contudo, muitas pessoas com depressão não pedem ajuda, acreditam que conseguem lidar com isso sozinhas, não querem dar parte de fracos ou simplesmente confundem com tristeza passageira. Se sofre ou suspeita que tem uma depressão, dê o primeiro passo, fale com um profissional de saúde mental (psicólogo ou psiquiatra).

 

Cecília Almeida

Psicóloga clínica, psicoterapeuta

« voltar